GUIA DE ACTIVISMO:
METODOS NÀO-VIOLENTOS E PREPARATIVOS PARA MANIFESTANTES CONTRA AS INJUSTIÇAS, MÁ GOVERNAÇÃO, CORRUPÇÃO, REPRESSÃO E CONTRA A DITADURA

- Adaptada no contexto angolano-
Como comportar-se e agir perante à repressão e o opressor
Durante o percurso da sua campanha você tem que cuidar da gestão de três tipos de recursos
apresentados tais como - humanos, materiais e tempo - você para implementar coloca
o plano em sentido inverso, mas você também irá prepara-lo para enfrentar as medidas da repressão que o seu adversário não vai deixar de usar.
Os métodos repressivos usados contra
um movimento de oposição são muitas e consistem
principalmente de pressão sobre seus membros e impedir ou
dificultar suas ações para evita-lo de agir de forma eficazr. Propomos, portanto, agora de aprender o máximo
possível para neutralizar a capacidade de seu adversário
para obstruir e controlar sua rede de comunicações interna e externa e, sua influência negativa sobre o moral de suas tropas: Se a moral dos activistas é alcançado e o adversário é capaz de antecipar todas  as ações de sua campanha, o movimento terá pouca chance de aplicação eficaz da sua estrategia não-violenta.
Os métodos repressivos de criar um clima de o medo, é um método frequentemente utilizado. O medo é uma reação que ocorre naturalmente em alguns circunstâncias,
quando o corpo e a mente se sentem ameaçados.
Despertar o medo é, portanto, uma ferramenta eficaz enfraquecer a capacidade de um movimento para agir. Então você vai aprender o que é medo, e como antenuar efeitos adversos através da comunicação e criar um clima de confiança dentro do seu movimento. Portanto, este é assuntos sérios, por isso sempre tenha em mente que não há vergonha em ser colocado na prisão por causa de seu compromisso com a liberdade e a democracia.

 
 

 

Carta de solidariedade e apoio moral á juventude corajosa contra ditadura, corrupção e má governação em angola

Pó de intoxicação está a ser colocado no largo primeiro de maio para afugentar os Manifestantes
 
Cerca de 50 detidos após manifestação em Luanda, desconhecida a sua situação - advogado

 

 
Comandante da Policia de Luanda “Bety” acusada de fazer ameaças de morte contra manifestantes
 

A REPRESSÃO FACISTA EM ANGOLA - actuaizacao sobre os detidos e desaparecidos
 
UNITA exige liberdade imediata e incondicional de manifestantes detidos no sábado ler mais

BD alerta a comunidade nacional e internacional para a gravidade da violência dos manifestantes deste sábado

Kalias Pedro, ex- director do Gabinete de Savimbi, entre as vitimas da queda de avião das FAA

17.09.2011
avo

Lisboa - De entre as vítimas da queda do avião, na manha desta terça-feira (14) na província do Huambo, está,  o Tte-General  Elias Malungo Bravo da Costa Pedro "Kalias", antigo director do Gabinete de Jonas Savimbi e que no quadro da integração militar, estava até  a dada da sua morte, como    Chefe da Direcção de Comunicação e Imagem do Estado-Maior General das FAA. Outro correligionário  seu,  também identifico entre as vitimas do acidente, é o Brigadeiro “Veneno” Katata. 

Fonte: Club-k.net

Faleceu general “Kalias” Pedro

 

A atenção que se presta  ao general  “Kalias” Pedro é atribuída ao seu papel historico de ter sido uma das figuras  que melhor conhecia os segredos do antigo líder guerrilheiro da UNITA. Na década de oitenta  foi  considerado como  um brilhante estudante  no Instituto Polivalente Lote Malheiro Savimbi. Enquanto um irmão seu,  foi despachado para Estudar em  Portugal,  o general “Kalias” Pedro, foi convidado  para trabalhar no gabinete do alto comandante das FALA e Presidente da UNITA, em 1987. Passou a operar como a “sombra” de Jonas Savimbi e esteve presente em todas as viagens “de Estado”  que o líder rebelde efectuou aos Estados Unidos, e a Europa.

 

Em 1992, esteve em Luanda  e concorreu nas primeiras eleições gerais como  o numero 16 da lista dos candidatos a deputados a bancada parlamentar da UNITA. No dia da votação esteve ao lado de Savimbi tal como no dia da “secreta” fuga que levou o ex-líder rebelde a abandonar Luanda rumo ao Huambo. No Bailundo, notabilizou-se como o director do Gabinete presidencial.


Em  2002, permaneceu ao lado de Jonas Savimbi, nas matas do Moxico e encontrava-se gravemente debilitado. Foi capturado pelas FAA,  a  17 de Fevereiro, nas áreas do rio Luzy,  no seguimento  de tiroteios que a coluna de Jonas Savimbi sofreu precipitando a dispersão dos seus integrantes. A sua captura foi celebrada pelas autoridades angolanas como um troféu de grande valor. 


Com o fim da guerra desligou-se por completo das actividades políticas passando a estar “full-time”, nas Forças Armadas Angolanas. Estava casado com uma senhora originaria da família Lihauca.


O  acidente  na pista do aeroporto Albano Machado

 
O avião do tipo Embraer, de fabrico brasileiro, uma das aeronaves utilizadas  para curtas viagens executivas que se presume ter vindo de uma das províncias do sul do país, de transito para Benguela, para depois partir para Luanda, cujo os nomes da tripulação ainda não foram revelados, acidentou  ao meio da manhã  desta quarta-feira « 14 de Setembro», em plena pista no aeroporto Albano Machado, na cidade do Huambo.
 

Com  capacidade para 33 pessoas, a aeronave fazia-se transportar de 36 passageiros, dos quais trinta pereceram do acidente. O sinistro aconteceu quando a aeronave procedia a descolagem depois de ter sido abastecida. Por razões desconhecidas, o vôo  inclinou-se lateralmente para um dos lados, causando derrapagem em despiste que sresultou na morte de 30 passageiros, dos quais o general Kalias, o brigadeiro Katata, o Brigadeiro Kizua e tantos outros oficiais superiores, subalternos, sargentos, praça e civis.

 
Os seis sobreviventes, incluindo um dos pilotos da aeronave, foram evacuados imediatamente para o hospital central do Huambo, encontrando-se  neste momento a receber tratamento medico, enquanto que os mortos removidos para a casa mortuária. De realçar,  o estado de saúde critico de um dos membros da tripulação sobrevivente. 
 

Este é o terceiro acidente de aviação envolvendo aeronaves militares, há menos de dois meses, depois da queda dos helicópteros também militares, nas províncias de Malanje e Moxico respectivamente.         

 
   
todo direito reservada © i.a.a.d.h.e.V.