01.07.2012

Nações Unidas vão intensificar caçada a Kony

Nações Unidas apela por apoio global a fim de equipar missão da União Africana (UA), que tem a função de caçar o senhor da guerra ugandês Joseph Kony, líder do Exército de Resistência do Senhor (ERS).

Os 15 países do Conselho de Segurança da ONU ratificaram a estratégia das Nações Unidas para equipar por completo os soldados da UA até dezembro, a fim de capturar o senhor da guerra procurado desde 2005. A força terá 5 mil integrantes do Sudão do Sul , Uganda, República Democrática do Congo e República Centro-Africana. Os soldados ainda carecem de recursos básicos como coturnos, mantimentos, meios de transporte e treinamento.

Kony é acusado de aterrorizar o norte do Uganda por mais de 20 anos. Ele é procurado pela Corte Penal Internacional por crimes de guerra. Seu exército, ERS, é acusado de capturar crianças para serem usadas como soldados e escravos sexuais.

"O ERS continua bastante perigoso e mantém a capacidade de infringir muito sofrimento às populações", disse o responsável das Nações Unidas para a África Central, Abou Moussa.

Campanha tornou Kony celebridade

Há alguns meses, as buscas pelo líder rebelde se intensificaram nas florestas da África Central. O interesse pela captura de Kony aumentou após a campanha da organização norte-americana "Invisible Children", que produziu um vídeo e postou no Youtube, denunciando as atrocidades cometidas pelo senhor da guerra. O vídeo foi assistido por dezenas de milhares de pessoas em todo o mundo.

O ERS estaria contando com uma força de 300 a 500 soldados, entre os quais várias crianças raptadas para servirem ao grupo armado. A metade destas crianças seriam meninas. Elas seriam obrigadas a se casar com integrantes do grupo e frequentemente abusadas sexualmente.

Conforme a ONU, os rebeldes estariam a todo momento trocando de esconderijo nas matas da região central da África, e Kony tem ficado cada vez mais nervoso com o excesso de atenção.

Joseph Kony tem mandado de busca expedido desde 2005. Os crimes mais graves cometidos pelo ERS teriam ocorrido nos anos 1990 no norte do Uganda. Desde 2005, o nível de violência do exército rebelde tem caído, e o grupo se retirou do Uganda. Kony comanda agora centenas de seguidores escondidos nas florestas.

MP/dw/rtr/dap/afp/dpa
Revisão: Francis França

Oranienstr. 14a
10999 Berlin-Kreuzberg
Tel: +49 30 69565379
Fax: +49 30 60031194
info@iaadh.de

  • Mundo
  • Desporto
  • Espiritualidade
  • Clima e Ambiente
  • Deutsche Welle
  • War Resisters League (WRL)
  • Amnistia Internacional
  • NAMRIGHTS (ex National Society for Human Rights)
  • Human Rights Watch
  • La Voix des Sans-Voix pour les Droits de l'Homme (VSV)
  • Politica
  • Opiniao
  • Activismo
  • Moda e Miss
  • Clube dos Angolanos (Club-K)
  • Deutsche Friedensgesellschaft - Vereinigte KriegsdienstgegnerInnen (DFG-VK)
  • Mirovna Akcija - Peace Action (Macedonia)
  • Žene u Crnom protiv Rata - Women in Black Against War (Serbia)
  • Ceasefire Campaign
  • Gruppe für eine Schweiz ohne Armee (GSoA)
  • Economia
  • Arte
  • Vova-Muana-Ngola
  • Angola24horas
  • War Resisters International (WRI)
  • Vredesactie
  • Union Pacifiste de France (UPF)
  • Collectif des Objectrices et Objecteurs Tarnais (COT)
  • Mouvement de l'Objection de Conscience (MOC)
  • Anti-Kriegs-Museum